Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NoDerivs 2.5 Brazil License.

quarta-feira, julho 19, 2006

A Copa dos Milhões

    Eu sumi, a Copa do Mundo (direto pra Alemanha!) acabou, a Itália foi campeã, Zidane fez aquele papelão na final e até hoje o mundo se pergunta que diabos Materazzi falou para merecer uma cabeçada nos peitos daquela.
    Meu voto vai para "Kléber Leite vai levar você para encerrar a carreira no Flamengo, Zizou!"
    Agora, duas rodadas após o retorno do Brasileirão, o Flamengo volta aos bons tempos de chacota e perde dois jogos seguidos - sendo uma goleada e um magro um a zero para os reservas do adversário na vindoura final da Copa do Brasil.
    O segundo resultado foi pior, por increça que parível. É o Vasco, malandragem. É o Vasco dirigido pelo Renato Gaúcho.
    Ney Franco, falemos francamente: com essa piada de diretoria que está aí, eu e você sabemos que perder essa final é certeza de bilhete azul. Portanto...
    ...boa sorte em seu novo emprego.
    Gostaria muito de ter mais fé no meu time de coração, mas a situação está mais feia que foto três por quatro de Tião Macalé. Se o rubro-negro consegue perder para os reservas do bacalhau, vai conseguir ganhar dos titulares?!

    Que minha língua seja queimada no mármore do inferno!


powered by performancing firefox

domingo, julho 02, 2006

O luto continua, companheiro!

    Dois dias seguidos e a América do Sul está fora das finais da Copa. Tudo o que Zé Blatter e a EuroFIFA queriam, claro! Cadê a entidade global do futebol, tão alardeada durante os anos Havelange? Chutaram o velho João pra escanteio e voltaram ao velho arquétipo colonial: as metrópoles nos vendem material esportivo e transmissões televisivas a preços exorbitantes, enquanto nós, as colônias, exportamos jogadores a preço de banana.
    Nada explica o comportamento da seleção brasileira no jogo contra a França. Nada. Quando começou a execução do "Virudum" ("O virudumpiranga as marge práááá-cida") e a câmera passou por um Juninho se debulhando em lágrimas, pensei: "boa coisa não vem por aí". Ao fim do jogo, juntei os pontos. Eram lágrimas de vergonha. A rapadura já estava entregue antes da bola rolar.
    Sim, só pode ter sido armação. Como explicar a total e completa ausência de marcação por parte do Brasil durante os noventa minutos? A apatia, a indolência, a falta de interesse por um jogo? Não um jogo qualquer, um jogo de Quartas de Final de Copa do Mundo! E pior, uma revanche contra a França!!!
    Vão crucificar Parreira e Zagallo. Que eles carreguem a cruz que merecem: não ter saído jogando, desde a estréia contra a Croácia, com Juninho, Robinho, Cicinho e Gilberto. O que aconteceu ontem foi sacanagem dos que estavam em campo, não no banco.
    E o gol francês? Que diabos foi aquilo?! Uma falta que não existiu, Dida arrumando a barreira da entrada da pequena área, exatamente onde ele pegaria a bola alçada por Zidane sem maiores problemas... se não tivesse resolvido andar para trás igual a viado em fila de banco após a cobrança! E Henry livre, leve e solto, entrando de carrinho ao lado da trave?! Fez o gol praticamente embaixo do travessão!!!
    Pura palhaçada. Agora é oficial: somos fregueses dos bleus. Uma seleção que passou a Copa anterior em branco (sem vitórias nem gols) e, no atual torneio, empatou com Coréia e Suíça na primeira fase e precisou que Togo abrisse as pernas para chegar as Oitavas. Cheiro de "seu Malaquias" no ar.
    Zidane distribuindo graça pelo campo - chapéus, driblezinhos, passes de efeito - e ninguém pra dar um sacode no cidadão da terceira idade. Zizou fez o que quis em campo; o respeito por ele era tanto que a marcação era feita à distância. Telepatia?
    O Brasil sai de um Mundial à francesa mais uma vez. O Brasil sai de um Mundial com uma atuação suspeita mais uma vez. Após doze anos chegando às finais, é mesmo esquisito não ter o que acompanhar nos dois jogos restantes, a não ser Felipão e os bravos portugueses.
    Talvez o que nos falte seja um retorno à época de Bambala contra Arimatéia, quando se amarrava cachorro com lingüiça e nossos craques tinham ligação com os clubes daqui. Não saíam para os times europeus ainda nos cueiros, por um par de chuteiras e duas mariolas.
    E tinham mais orgulho e consideração pela seleção nacional que as milionárias carreiras, contratos de imagem e patrocinadores.

    A epítome do Brasil na Alemanha '06 é Ronaldinho Gaúcho: o melhor futebol do mundo, a pior apresentação de quem um dia já foi campeão.


powered by performancing firefox

sexta-feira, junho 30, 2006

Luto

    Pesaroso pela desclassificação da Argentina, não escreverei nada. Nada devo aos leitores; não pago, negarei enquanto puder. Estou pensando em me refugiar nos Alpes cariocas (Alto da Boa Vista) pelo fim de semana, curando minhas feridas junto de minha patroa e uma garrafa de Quilmes.

    Até quando pagaremos pela Copa de 78? Até quando pagaremos pelos excessos de el Pibe?! Até quando a Globo vai insistir com Galvão Bueno, Kléber Machado e outras malas?!? ¿Hasta cuándo, Dios mío?


powered by performancing firefox

quinta-feira, junho 29, 2006

Amanhã começa o arranca-rabo!

   Estou cheio de dívidas com meus leitores, mas até amanhã à noite eu hei de quitá-las. Passo então esta postagem "borrachuda" (sem fundos) para vocês.
    Quartas de final, todos já sabem que estou torcendo para mi Argentina querida. Aquilo na final de 90 não foi pênalti - apesar da Alemanha ter jogado melhor - e seria mui lindo recordar o feito de el Pibe exatos vinte anos depois, agora na figura de Messi.
    Já Itália e Ucrânia promete ser o jogo mais feio desta etapa. Materazzi e Gattuso são os nomes da azzurra; se você os vir, avise a polícia. Do lado ucraniano (o leitor sabia que qualquer fratura na Ucrânia é traumatismo ucraniano? Ok, horrível essa, pode chamar a carrocinha), decepção com Shevo e o resto da patota. Apesar da Itália continuar sendo o arquétipo do jogo feio e de resultado, está mais do que creditada a despachar os ex-soviéticos.
     Amanhã falo sobre os resultados do dia, sobre os jogos de sábado, meus jogadores em destaque nas últimas partidas e sobre o preço do caqui. Sim, porque após todo esse futebol, só falta discutir o preço do caqui e sua influência na seleção do hexa. Como diria o mascate que trabalhava aqui na rua: "caiu - o preço - do caqui". Só não cai a ficha em Parreira; Cafu, Emerson e Roberto Carlos deveriam estar no banco desde o primeiro jogo.


powered by performancing firefox

quarta-feira, junho 28, 2006

Eu não quero mais nenhuma chance...

    ...eu não quero, mas - revanche?!

    Eu aposto em novo piripaque de "Felômeno". Dessa vez será uma bratwurst que não desceu redonda... apesar de Dr. Runco ser médico, ao contrário do ortopedista Lídio Toledo, não haverá pajelança que ponha Ronaldo em campo dessa vez: o Brasil há de se vingar dos bleus, sim, mas descontando o três-a-zero de 98 com dois gols de Lúcio (de cabeça) e um de Emerson. 86 vem junto no pacote: bola na trave, na cabeça de Barthez e gol de Lúcio.
    Como diz maestro mozart Cardeal: carne assada!!!
   
    Do outro lado da moeda, achei uma pena a Espanha ter se despedido tão cedo. Infelizmente, mais uma vez eles amarelaram na hora agá - o que me faz perguntar aos meus botões se, de repente, não há lugar para Joel Santana na cadeira de técnico da Fúria. Basta ver o que Papai Joel fez com o amedrontado elenco rubro-negro aos quarenta e cinco do segundo tempo, ano passado; até Obina fez gol!
    Se o Natalino estivesse no banco espanhol (Santander?!) ontem, não só Raul teria anotado o dele como nosso bravo treinador ainda teria acertado com a prancheta na cabeça de Zidane, deixando vovô Zizou igualzinho ao Ribery.
    O primeiro já deveria ter se aposentado pela compulsória; o segundo, por invalidez. Seu futebol não vale nada.
    A minha dúvida agora é: vão carcar a Argentina, ou a Alemanha tem time para seguir adiante sem a mãozinha amiga da arbitragem? Sei não, hein...

Mescalero vendo jogo na Globo?!

    Ao espanto do camarada Quevedo, minhas explicações: só assisti ao segundo tempo pela Globo, e ainda assim porque recebia visitas em casa. Infelizmente, nem todos nutrem a hojeriza que tenho pelas transmissões esportivas globais. As televisionadas, claro; o Garotinho e sua turma  mandam bem na rádio.
    Aos amigos Sérgio e Eloá, um abraço e apareçam sempre! A todos os outros, abraços e saudações rubro-negras! Bom descanso nesse intervalo de Copa! Está acabando... (soluço!)


powered by performancing firefox

terça-feira, junho 27, 2006

Vamos deixar de palhaçada!

        Antes de mais nada: ô ataque ruim esse, o de Gana! Se fosse a República Tcheca com o Koller na frente, a esquadra canarinho teria que correr atrás do prejuízo no placar umas duas ou três vezes. Várias falhas da zaga, Juan jogando muito mais que Lúcio, a deficiência ganesa falando mais alto que ambos. Valeu a brincadeira, mas não deu nem para o susto; fica para a próxima Copa a "surpresa africana".
    Agora, vamos dar um breque nesse ufanismo-de -imprensa - "São Dida, confiança no gol brasileiro". GANA CHUTOU TODAS EM CIMA DELE!!! Pelo amor de Deus, a única boa defesa que o sujeito fez foi no susto! O atacante ganês sobe sem marcação (novidade...) e cabeceia conforme o manual; o infeliz do guarda-metas verde-e-amarelo me dá um pulinho de pernas abertas (pas-de-deux?) que, graças à deusa Fortuna, barra a bola na entrada do gol; daí, mané bueno começa a vociferar na telinha, "São Dida, São Dida"! Daqui a pouco você muda de canal e está o comentarista da concorrência falando em quê? "São Dida".
        Esse sincretismo religioso-futebolístico é o que mata a gente.
    
    Intervalo de jogo, a França vai empatando com a Espanha. Gols de Villa (pênalti bobo de Thuram)  e Ribery - este, para mim, nada mais que um Guivarche dos anos 2000. Perna-de-pau toda a vida. Bom para as pretensões brasileiras; Fernando Torres e Cia. não teriam a mesma condescendência por Dida que Muntari, Appiah e o resto da turma. Já a França, eu acredito que roda mole, mole nessas Quartas vindouras.

     Palavra de sobrevivente de México 1986.


powered by performancing firefox

segunda-feira, junho 26, 2006

O pior da Copa

    Meu amigo me pergunta quem é o craque da Copa; "não sei", respondo. Sei quem é a decepção: Shevchenko, que até pênalti perdeu nesse Ucrânia e Suíça, jogo que conseguiu o feito de ser o pior de todos até o momento.
    Olha que tivemos Suécia e Trinidad & Tobago na primeira fase!
    Felizmente, da próxima a Ucrânia não passa; deve ser despachada com direito a todos os carimbos pela Itália, que mandou embora outra mala-sem-alça do Mundial - a seleção australiana.

    Aí eu pergunto: por que Uruguai, Colômbia e Chile ficaram de fora da Alemanha 2006?! Por que CATORZE vagas para o continente europeu e apenas QUATRO para os sulamericanos?!? Por que a quinta vaga da Conmebol é dividida com a Oceania, enquanto a Concacaf pega a baba do Oriente Médio?!?!

    Tem muita coisa errada no futebol mundial e não há perspectivas de conserto... por isso os americanos continuam considerando o Superbowl o principal evento esportivo do planeta. Aliás, é por essas e por outras que eles insistem em chamar aquilo de football, e o futebol de soccer. E eles estão em quinto no ranking da FIFA! Aliás, os australianos também chamam o nosso jogo de soccer. São os socceroos... socceroo é o socceraglio!!!

    Cada uma que eu tenho que aturar...


powered by performancing firefox